Turismo no Maranhão: confira 10 curiosidades - Blog Rota das Emoções: O melhor sobre a Rota das Emoções
Turismo no Maranhão: confira 10 curiosidades
Engana-se quem pensa que o turismo no Maranhão se resume ao Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses. O deserto de 155 mil hectares, formado por dunas brancas e lagoas de água doce com tons magníficos, que variam entre o azul e o verde, deve ser visitado, mas muitas outras atrações ainda esperam o turista!

Em uma das maiores unidades federativas do Nordeste brasileiro, há muito mais do que o parque. A rica diversidade dos ecossistemas maranhenses oferece inúmeras belezas naturais espetaculares aos seus frequentadores, como praias, rios, cachoeiras, manguezais e lagoas.

A seguir, listaremos 10 dos destinos mais incríveis do Estado e suas curiosidades para você começar a programar sua próxima viagem épica e descobrir que o Maranhão vai muito além de seus Lençóis. Confira!

1. Barreirinhas

Esse é um dos locais mais procurados por quem faz turismo no Maranhão. A cidade de pouco mais de 60 mil habitantes fica logo no começo do Parque dos Lençóis e conta com diversas praias de água doce, manguezais, dunas e lagoas formadas por água da chuva.

A cidade fica a 260 km de São Luís, e as opções de transporte variam desde o ônibus convencional até as excursões com agências. Uma alternativa é alugar um carro, uma vez que a viagem pode demorar cerca de 4h30.

A maioria dos turistas que visita Barreirinhas vão direto para o Parque, mas, se você puder, separe um tempinho para o passeio de barco pelo Rio Preguiça. Você não vai se arrepender! No caminho, diferentes animais da rica fauna da região aparecem para dar um alô, um passeio divertido e bem imerso na natureza.

Os passeios de jardineira (uma espécie de off-road 4×4) são os mais habituais, mas também vale a pena conhecer o vilarejo de Barreirinhas em si. Suas comunidades vivem da agricultura familiar e do artesanato e você vai poder se aproximar de uma tradição local muito rica, tanto com relação ao trabalho quanto à culinária.

2. Lagoa Azul

Saindo de Barreirinhas, você pode encontrar diversos pacotes de passeios para conhecer as duas lagoas, consideradas duas das mais belas do Parque dos Lençóis Maranhenses, a Azul e a Bonita.

Lagoa Azul encanta de longe! A imensidão branca formada pelas dunas contrasta com os diversos tons azuis das águas. Essas cores vão mudando à medida que você se aproxima e de acordo com a posição do sol. Em algumas épocas do ano, sua profundidade pode chegar a 3 metros.

Como a paisagem é muito dependente da época do ano, do clima e das condições das lagoas, a rota da Lagoa Azul não leva sempre aos mesmos lugares, mas, em geral, o passeio inclui uma volta pelas lagoas da Preguiça, da Esmeralda, do Peixe e da Paz.

Não se assuste se o guia mudar o percurso. Como o cenário muda toda semana, é normal escolher os locais mais bonitos para mostrar aos turistas. E tenha certeza de que se você voltar ao Maranhão uma outra vez, é possível nem reconhecer os lugares, pois as mudanças são constantes. Sempre será uma nova viagem, com belezas diferentes para se ver!

3. Lagoa Bonita

A outra lagoa imperdível dos Lençóis é a Lagoa Bonita, e a beleza do circuito impressiona! A lagoa não recebe esse nome à toa. O sacrifício de andar a pé para chegar até lá é grande e inclui uma subida tão íngreme que conta com a ajuda de uma corda, mas vale a recompensa.

Trata-se de uma enorme lagoa azul, que exibe tons diferentes da cor ao longo do dia. É praticamente um quadro de obra de arte: uma imagem para guardar e recordar para sempre!

O diferencial desse circuito é que durante o caminho você vai ver muitas porções de águas sem nome. O início é feito de 4×4, a partir de Barreirinhas, e dura mais ou menos uma hora. Depois disso os turistas precisam exercitar as canelas. Para quem curte caminhadas e trilhas é um passeio imperdível, rodeado de belezas naturais: muita areia e água, em sua maioria. Fazer esse trajeto caminhando é uma experiência única!

As outras lagoas famosas do circuito são a Lagoa do Maçarico e a Lagoa do Clone, que recebeu esse apelido porque serviu de locação para novela O Clone, da Rede Globo.

4. Santo Amaro

Bem perto de uma das entradas do Parque Nacional fica localizado o “Paraíso Perdido dos Lençóis”. A cidade de Santo Amaro recebe esse nome porque suas belas lagoas, dunas e trilhas ainda são pouco exploradas.

Costumam dizer que Santo Amaro tem algumas das lagoas mais bonitas do Maranhão, mais ainda que as dos passeios de Barreirinhas, e se é difícil acreditar porque o local ainda é um pouco desconhecido, o jeito é ver com os próprios olhos e decidir.

A pequena vila rústica ainda preserva seu ar romântico. As lagoas das Andorinhas e da Gaivota são incríveis e com águas extremamente cristalinas. Elas ficam pertinho da cidade e o carro chega até na beirada, sendo preciso caminhar só um pouco para poder encostar o pé na água.

Outros circuitos são o da Betânia e do Espigão, que encontra com um rio, formando uma paisagem diferente das outras.

A lagoa de mais difícil acesso é a Lagoa das Emendas, e o trajeto só pode ser feito a pé. O carro pode ir até um certo ponto do Parque Nacional, mas a partir daí os viajantes devem seguir em uma caminhada de duas horas para chegar à beira da lagoa. Um desafio que vale a pena, já que a Lagoa das Emendas é frequentemente citada como uma das mais bonitas do Estado.

5. Tapuio

O pequeno povoado de Tapuio, às margens do Rio Preguiça, oferece experiências culturais únicas e interessantes. A começar pela Casa de Farinha, onde é possível aprender e até participar de todo o processo de fabricação artesanal da farinha de mandioca junto da comunidade local.

O vilarejo conta com pequenas praias de água doce, nas quais é possível se divertir passeado de canoa a remo e stand-up paddle, mergulhando ou simplesmente degustando pratos típicos da região nos quiosques. A Lagoa da Esperança é uma atração à parte durante todo o ano, uma vez que nunca seca. Além de um bom banho na água doce, o pôr do sol de lá é encantador.

Aproveite para ter contato com a população local, que é receptiva e mantém hábitos bem particulares dos maranhenses. A cidade é praticamente habitada por pescadores, então não deixe de provar a culinária local!

6. Atins

Conhecida como a Jericoacoara maranhense, Atins é uma antiga vila rústica de pescadores. Próximo dos Grandes Lençóis, o vilarejo também é um tanto parecido com Trancoso, na Bahia. A vila oferece paz e sossego aos seus frequentadores: não há iluminação pública ou sinal de telefonia fixa (e muito menos de celular) no local, então o jeito é mesmo aproveitar a natureza.

Entretanto, suas paisagens são magníficas, com uma vasta vegetação que se mistura às dunas, aos igarapés, aos manguezais e às lagoas doces. A gastronomia é um dos pontos altos do vilarejo, com o prato típico sendo os camarões na brasa com molho secreto do restaurante Canto de Atins. Os peixes grelhados sempre servidos bem frescos também são uma opção.

O lugar se tornou um ponto de encontro dos praticantes de kitesurfe por causa da ventania no mar entre os meses de agosto a dezembro. As escolas que ensinam o esporte ficam montadas em barracas na praia e dá para aproveitar um pouco da aventura mesmo sendo um iniciante, com apenas algumas horas de aula.

A praia de Atins é no encontro do mar com o Rio Preguiças e, às vezes, se formam piscinões naturais de calmaria. Para quem está com o tempo mais contado, dá para fazer um passeio “bate e volta” a partir de Barreirinhas, mas para aproveitar tudo que a vila tem a oferecer é mais interessante se hospedar no próprio povoado.

7. Tutoia

A cidade de Tutoia, localizada no Delta do Rio Parnaíba, perto da divisa com o Piauí, tem uma paisagem que impressiona pelos espelhos d’água, rios, praias paradisíacas e a constante disputa por espaço entre as dunas e os mangues nas diversas ilhas da região.

O sol brilha o ano inteiro por lá, mas, entre as dunas, também se formam as lagoas de água da chuva, chamadas de Pequenos Lençóis. O pôr do sol é igualmente deslumbrante e algumas de suas praias são completamente desertas, o que significa um passeio totalmente tranquilo. No entanto, a cidade vem se tornando cada vez mais turística e entrando nas principais rotas do Estado.

8. Chapada das Mesas

Achou que o turismo no Maranhão fosse apenas lagoa e praia? Errou! O Parque Nacional da Chapada das Mesas, em Carolina, é a pedida ideal para os mais aventureiros e para os adeptos de atividades radicais, como trekking, rapel e rafting.

O Parque é meio afastado e a melhor forma de chegar é indo de avião até Imperatriz e depois alugando um carro para percorrer mais 215 km por via terrestre. Para aproveitar bem a paisagem, os melhores meses para se visitar são maio, junho e julho, em que praticamente não chove e o céu está sempre azul.

A Chapada conta com diversos cânions, cachoeiras, formações rochosas e bosques repletos de trilhas para se desbravar. Não deixe de conhecer as quedas d’água do Santuário de Pedra Caída, de visitar a cachoeira de Santa Bárbara (com seus 76 metros de altura) e de apreciar a incrível vista panorâmica do Morro do Chapéu.

9. Alcântara

O Maranhão também é riquíssimo em história e cultura. A cidade de Alcântara, com suas mais de 300 construções coloniais dos séculos XVIII e XIX, é um dos maiores exemplos disso.

Muitos casarões, sobrados, igrejas, palácios e chalés da época dos barões da cana-de-açúcar e do algodão permanecem preservados e praticamente intactos. Esses pontos podem ser visitados o ano inteiro. Por estar a apenas uma hora de São Luís de barco, muita gente prefere conhecer a cidade toda em um dia só. Mas ficar pelo menos dois dias na cidade pode ser uma boa para quem deseja uma experiência histórica mais completa.

A Praça da Matriz guarda a memória de um tempo no qual a religião vivia seu apogeu e também do tempo de seu declínio. A Igreja do Carmo sustenta ainda hoje um altar em estilo barroco e, seguindo mais adiante, você encontrará os doces típicos sendo vendidos nas janelas das casas.

Para quem gosta de participar de festas populares tradicionais, nos meses de maio e agosto acontecem as festas do Divino e do Tambor-de-Crioula. É uma boa oportunidade para viver a cultura maranhense bem de perto.

10. São Luís

Para finalizar nosso incrível roteiro, que tal visitar a capital do Estado? Não dá para se dizer que conheceu de fato o Maranhão sem ter andado pelas ruas históricas de São Luís. O Centro Histórico, com seu conjunto arquitetônico de mais de 3 mil sobrados, casarões, praças e ruas de estilo colonial do final do século XVII, é considerado pela UNESCO, desde 1997, Patrimônio Cultural da Humanidade.

O ideal é ficar pelo menos dois dias para poder aproveitar bem a cidade e ainda pegar praia. O city tour vale a pena: muitos casarões antigos foram transformados em centros culturais, com focos diversos e para todos os gostos.

Se quiser saber um pouco mais sobre o tambor-de-mina, a vertente maranhense do candomblé, basta ir ao Centro de Cultura Popular Domingos Vieira Filho, ou Casa da Festa, por exemplo. O museu se dedica a explicar as manifestações religiosas e seus ritos e costumes.

Um outro museu que chama atenção é a Casa de Nhozinho, um centro que reúne obras e informações sobre o Mestre Nhozinho, um artista popular muito conhecido no Estado. O Museu Histórico e Artístico fica em um casarão bem conservado no coração do centro histórico.

Claro que, além disso, você não pode deixar de experimentar a culinária local e curtir o agito de sexta-feira à noite.

O Estado do Maranhão é realmente incrível! Além das belezas naturais, o rico patrimônio histórico e cultural de suas cidades agrega ainda mais valor à sua viagem.

Gostou de nossas dicas? Agora que você já conhece os principais pontos de turismo no Maranhão e todas as suas curiosidades, já pode começar a preparar seu próximo passeio! Que tal compartilhar nas redes sociais e chamar os amigos para uma viagem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Share This